Explicando

A imagem é uma tabela de cores usada na Conferência da Rede Inter-religiosa Global na África do Sul, com opções para cada participante da conferência: preto (não tirar fotos nem gravar a voz); laranja (pode apenas gravar a voz); rosa (pode apenas tirar fotos); verde (pode tirar fotos e usar minha voz). Uma etiqueta no crachá indicava para quem estava gravando ou fotografando quais as informações e imagens que poderiam ser tornadas públicas. 
Talvez isso pareça estranho para pessoas não acostumadas à necessidade de criar “espaços seguros”, nos quais as pessoas se sintam livres para participar da maneira que se sentem à vontade ou lhes é possível. Nesse caso, a escolha tem menos a ver com vontades pessoais do que com ameaças à integridade dos/as participantes. Alguns/as deles/as vieram de países nos quais podem ser presos/as ou sofrer outras sanções por conta do seu sexo, orientação sexual e/ou identidade e expressão de gênero. Quando falamos de direitos e justiça sexual e de gênero é disso que falamos: do fato das pessoas não poderem se manifestar livremente e, por isso, da necessidade de criar “espaços seguros” para que se sintam acolhidas e possam participar dos processos de construção coletiva, enquanto a maioria dos espaços continua sendo ameaçadora e violenta. 
Nem todas as pessoas têm o privilégio - que a maioria das pessoas tem - de poder postar sua fotos no Facebook ou tornar público que participaram de um evento como esse. Algumas, inclusive, correm risco de vida se isso acontecer. Entendeu?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

No meu aniversário

#Queermuseu – arte e teologia

Sobre como fundamentalistas têm ajudado o feminismo e os movimentos pela diversidade sexual e de gênero